#22 Edição/poesia

IV

IV

Às vezes, quando choro, procuro um
sobrepeso qualquer no corpo, um distúrbio
qualquer no rastro.  O baque e todos nós
na beira do caminho, em conformidade com
as rochas que não conseguem subtrair os
próprios esforços.  Nossa vida quase deixada
por entre os becos, por entre as praças: os
mortos de são paulo, os vivos do leblon.

Às vésperas nos deparamos com um sossego
qualquer. Talvez na tarde de um domingo quando,
inquietos, saímos para ver o jogo, para ir ao parque,
para ouvir um choro. Os mesmos precipícios que
mudam de endereço batem em nossa porta.  E
cantamos. Uns breves, outros graves: as duas
senhores de mãos dadas, uma pequena garota que
grita no parque.  A areia fina passa entre os
dedos e nós permanecemos absortos, indefinidos
no caos que se apresenta na  ruidosa tarde, que se
esconde no céu azul – a tempestade, essa ingrata,
nunca chega para a redenção. Os galhos secos que
pisamos (se alguns deles houvesse nessa
cidade), o mundo em que tropeçamos.

Às vezes, quando choro, resisto. E a tentação
que sobrevém me aparece como a morte numa
praia de janeiro.  As assombrações que reduzem
a velocidade no trânsito, as suturas que inauguram
o poema

está perdido o assunto, as luzes acabam
de se apagar.

José Reis, setembro 2015

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s