#13 Edição/poesia

pedra de rio

Tentei aparar com as mãos
o som da água nascente que corria
e vi sua trança cristalina
avançar no mundo
corrente e perseverante
a água seguia constante
o seu fluxo de vida

Nela somavam-se
pequenas pedras
pedaços de folhas
memórias de outras vidas
da fauna que pelo caminho aflora

Soltei as mãos sobre o colo
e nelas as gotas luziam
a presença do tempo passado
na lembrança úmida que elas continham

Amanda Flou, dezembro 2014.

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s