#27 Edição/poesia

mangue

é pouca a luz
e eu aproveito
pra te pedir que
percorra o teu mangue
que disseque com os pés
o pavor do real
e só então diga
da casa das janelas
dos relógios das posturas

vai espalha a tua gosma
sobre o silêncio impossível
sente o azedo no fim da língua
manifestando o veneno do signo
e cala estes teus ruídos que
ora esmagam as coisas do mundo

você bem sabe que
qualquer brecha fermenta a dúvida
ali onde o gesto irrompe a água mansa
é frágil a matéria e seus contornos
são frágeis as magnólias mortas
somos frágeis sobre o cascalho
sobre essa coleção de insetos
debaixo dos pés

não é minha culpa

vamos seguir tentando ver o fundo
o avesso dos órgãos como é que ressoam
como é que encharcam o verbo
vamos seguir batendo na porta

 

Pollyana Quintella, março de 2016

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s