#29 Edição/poesia

há sinais no sol

há sinais no sol — convulso — além da conta
na lua
tão perigosamente próxima
alucinado mar em ondas
gigantes
terra que geme e se contorce
homem que pisa e mata a flor
pequena
[e sete mil espinhos estão em nossas mãos]

*

existe quando canta
por isso canta
pra existir
e morre
quando cala
[cada vez mais difícil
ressuscitar]

*

cai o silêncio sobre a língua / ávida liga de chumbo quente
matéria prima de Gutenberg
de se forjar letras / palavras / ideias
que transformadas são balas/armas
quentes
de se calar bocas
mas o silêncio grita e sai pelos olhos
de cada poro, gotas, de se molhar a terra
[dormem sementes]
tempo haverá em que tudo será canção/e o pão será farto
homens de pedra sob a chuva ácida
esperam

*

ferida da beleza
da sombra dos bambus
na lua cheia

*

poderia ter sido salva pela beleza ou pela alegria
é tudo que salva
não foi possível — não lhe mostraram o caminho
e os olhos estavam cegos
do pó
do barro que era

Nydia Bonetti, julho 2016

 

…………………….

Um pensamento sobre “há sinais no sol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s