#13 Edição/poesia

catar-se

meu corpo é uma usina
de tártaro e metal rasgado
pulsando em vertigens
gerando luz de estrela em céu deserto

meu corpo é um redemoinho
onde os naufrágios desaguam em tormenta e tempestade
enquanto chove lá fora
meus cantos desenham um novo céu

meu corpo é som e instante
incendiando vilas esquecidas
planícies inteiras se pondo contra o sol
cantos de guerra que eu enterrei na areia

e há quem precise de motivo
que não a vida

Victor Pitanga, dezembro 2014

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s