#12 Edição/poesia

4 Poemas

conversa à toa

– quer dizer, então, que os insetos não
sentem afeto?
– você poderia pisá-lo agorinha mesmo
esmagar com a sola
do seu sapato
aquela formiga ou aquele percevejo
– e eles, ainda assim, não sentiriam nada?
– isso mesmo
– mas e se eu arranco, tadinho
com a maior perícia
antena por antena
e as suas patinhas…
– não sente nadinha
– como são insensíveis esses insetos

 

nas profundezas do raso

ali sim.
ali dá pé
boto fé, você
tome cuidado pra não
se afogar nessa tempestade
que anuncias, apesar me pareça
não haver muito mais que quatro dedos d’água

 

nas igrejas do rio

+
jesus
no telhado
pôs a mão no peito
(o coração em fogo,
acorrentado)
apontou pra
mim e disse:

 
 
do fundo do mar

quando o olhar encontra o teto
ela ainda pergunta
por mim
– onde estive, com quem, se bebi?

enquanto ela afunda, lentamente
a escuridão dá o contorno
que o mais
é pura ausência

e quando os séculos já tiverem enfim corroído
esta rocha basilar que me dispõe ao novo
– lá de baixo muito fundo
subirá um ruído assombroso –

e conversarão em destino dentre outras coisas
enfim
questionarão sem censura
(o povo que a mim sucedeu)

– de onde vem assim, límpida e pura
este óleo negro, quem te fez assim
pré-sal
do meu coração?

fui eu
 

Santiago Perlingero, novembro 2014

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s