poesia

Dois poemas de Barbara Grillo

aconteceu que ontem a noite
o senhorzinho veio falar dos meus segredos
com mãos que insistiam em não me alcançar
com os olhos fixos demais pra me bagunçar
com dentes expostos o suficiente pra me fazer duvidar
porque eram rumores
porque são secretos
ele fez questão
só falaria deles em frente a todos que pudessem ouvir
pra minha sorte senhorzinho era mudo
quisesse ouvi-lo teria de olhá-lo
quisesse olhá-lo acabei por desejar surdez
mas senhorzinho enxergava que era uma beleza
e se eu achava que até então aquilo era minha maldição
mal sabia eu que o sonho é que era meu
e aqueles olhos
também
o que senhorzinho falava continua inaudito
mas porque são segredos
ele ensinou que pra além da pontada no nervo espinhal
os segredos só o são
enquanto eu possa vê-los

***

precisava urgentemente saber quem controla a programação da rádio saara. alguém tinha que saber quem controla a programação da rádio saara. se alguém controla a rádio saara, por favor, me avisem porque quem controla a programação da rádio saara quase sempre toca musa do verão na hora do almoço e às vezes carinhoso no fim do dia. pra mim, as duas combinam porque no almoço tô quase sempre na escadaria do ifcs e no fim do dia também. se alguém souber quem controla a programação da rádio saara, por favor, me avise, porque tem pelo menos cinco anos que isso tá tocando. eu acho que tem uma fita em alguma casinha ali. toca, toca e acaba. aí alguém passa ali, vira, toca, toca, acaba. passa ali, rebobina, e vira. todos os dias alguém passa ali. deve estar ali todos os dias, não custa nada. rebobinar e virar. fico pensando que deve vender malas de viagem, ou talvez coxinhas e esfirras, em algum canto ali da rua da carioca mesmo. chega no centro, trabalha, trabalha, vira, rebobina, vira, trabalha, trabalha, mete o pé. a realidade é que eu tava querendo aquela fita pra mim. se alguém souber onde fica a casinha que controla a rádio saara, por favor, me avise. saindo das escadarias do ifcs não devo dar mais de 350 passos. eu sei porque quando escuto a rádio saara eu consigo contar os passos das pessoas andando na minha frente indo do largo são francisco ao largo da carioca. é/a/mu-sa/do/ve/ra-um. 6 passos, meio devagarinho. 350 não deve ser múltiplo de 6. paciência. meu amigo me disse que isso é loucura da minha cabeça porque o que a gente escuta da rádio saara ali da escadaria é só ruído. esses dias eu tentei levá-lo pra encontrar a casinha da rádio comigo mas ele não quis, aí eu fui sozinha. não encontrei a casinha, mas encontrei a caixinha, lá no alto do poste. eu não quero mais a fita não. eu fui andando no ruído mesmo, os passos de levinho, fui chegando na carioca, o som já tava na ponta dos ouvidos. mas já era fim de dia, aquele ritmo carinhoso, e-e-e/os/meus/olhos/ficam/sori-i-i-indo. quando encontrarem quem controla a rádio saara, por favor, agradeça se puder. imagina o que seria dos meus pés no fim do dia se alguém não virasse, rebobinasse, virasse.

Barbara Grillo, março 2018

0 thoughts on “Dois poemas de Barbara Grillo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *