#23 Edição/poesia

Móbile

O imprevisível
me arrasta como um rebanho
cego
as perspectivas líquidas
de romper

o véu
embassado de origamis
feitos de jornal velho

pra reciclar os costumes
antecipo as vidências
como forma de dissolver os hiatos
pronunciados em tom de diáspora
os delírios soam algozes
da falsa sustentação

palco líquido
das quebras de ritmo

É difícil assumir
a gramática das cordas
sendo uma equilibrista

sem fôlego.

Anna Luiza Terra, outubro 2015
 

 

…………………….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s