poesia

POEMAS PARA O NOSSO TEMPO XI

Abertura

No espaço do campo, passa o homem e sua miragem.
No espaço da cidade, dorme o homem em sua passagem.
No espaço da consciência, gera o vírus a sua voragem.
Por todos esses espaços, de surda força indomável,
passa o espaço da palavra com sua selva sem margem.
Na selva dessa paisagem, no centro de sua arena,
age a força do poema, meu objeto selvagem.

Mário Chamie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *