poesia

Nós Dois Cantando Sidney Magal Na Feira De São Cristóvão

para Fernando

estação da Penha
desemboco perdida na linha de fuga, percebo
-como se percebem os furos de tatuí na areia de grumari –
o grão de purpurina no fim do carnaval
são quatro por dois isso que inflama o meu peito
não chupo a espinha do peixe,
não como mocotó

sonho em me bronzear sob o sol de ramos
me banhar no piscinão
ao seu lado
com as mãos entrelaçadas nas suas
bebendo itaipava

sou mulher de gostos caros, digo a você enquanto rasga
meu sutiã
gasto
por amaciantes

picho na murada do prédio
seu nome <3 meu
para que você saiba o quão merda
eu sou quando apaixonada

meus pais me apontam dedos disseram para não me perder demais
¡perigo águas profundas, correnteza e redemoinho!
é tarde,
depois de meia noite
nossos horários são verões
é tarde

estou fudida
porque a foda tem o gosto do meu homem
e disso os meus lábios não cansam

Valeska Torres, março de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *