fragmentos

Edimilson de Almeida Pereira

O logos de exu e a criação poética

” Diante disso, a força dialética inerente ao próprio Exu pode ser considerada como um princípio que anima os vários modos de reapropriação de suas representações. Por conta disso, nada impede que encontremos entre os poetas modos similares no trato com o acervo textual de Exu ou que, simultaneamente, anotemos num mesmo poeta modos conflitantes na lida com este acervo.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *