#7 Edição / poesia

Ele & ela

Ele & ela
(cancerigenamente)
Deixam a mão amor
tecendo – e se os sons
nunca parassem? –
Sem querer Rilkocheteia
Seu cabelo juntando meus pés
ao chão feito um bonde
Engatinho até a recepção
Sem dar para’s
Colocando-me na rua
Como tremendo ginasta
Ou mergulhador olímpico
Que acha serem
Os cigarros raia.
Dei três pulinhos
Shazam
Passa a catraca
Mas nunca ousei
Prender os cadarços
Na escada rolante.
Atoado
O despertador
Dá trovoadas
E para cumprimentar o chão
Alguém amarrou meus cadarços

Minhas pupilas
Tri
Pulam

Lançando qualquer coisa em movimento
O sofá agindo por osmose
Ou qualquer coisa que ainda aguente ouvir
Teus estalos
E o peso
De teus ossos
Você diz, gajo, uma coisa que é
Uma maravilha,
E o teu bafo não gruda
Em nenhum lugar;
Morrendo de sede pensas na roda gigante
No amor,
E em erguer um monumento
No maior lugar do mundo

Me mande um dia
Desses
Uma mensagem
Mesmo que a guerra
Não acabe

Quantas vezes por dia vocês
Acham que tilintam?

Stefano Calgaro, junho 2014

 

…………………….

0 thoughts on “Ele & ela

  1. Pingback: Ele & Ela | Lerfamu

  2. Pingback: Diário civil dos anos de guerra | Lerfamu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *