#23 Edição / poesia

Móbile

O imprevisível
me arrasta como um rebanho
cego
as perspectivas líquidas
de romper

o véu
embassado de origamis
feitos de jornal velho

pra reciclar os costumes
antecipo as vidências
como forma de dissolver os hiatos
pronunciados em tom de diáspora
os delírios soam algozes
da falsa sustentação

palco líquido
das quebras de ritmo

É difícil assumir
a gramática das cordas
sendo uma equilibrista

sem fôlego.

Anna Luiza Terra, outubro 2015
 

 

…………………….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *