CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 4
cinema

CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 4

“A estranha sistematização da linguagem e da sintaxe que Griffith teve de elaborar, de forma mais ou menos confusa, para poder se expressar, e que foi apenas uma consequência superficial de seu universo específico, introduziu o verme na fruta que, a partir de então, não parou de, literalmente, desvitalizar o cinema. Trata-se da lenta criação de uma retórica, sempre mais refinada e mais cheia de nuances, mas também sempre mais impiedosamente analítica.” Continue reading »

CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 3
cinema

CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 3

“Fazendo isso, surge essa água e começa a escorrer pela pedra. Naquela oportunidade eu caio no maior pranto, surpreso, “o que é isso?”, me arrepia e eu choro. E eu estou na mata, 20 anos depois, nessa situação que eu estava contando, olhando a floresta de frente e essa imagem lá de trás, da água surgindo da pedra, eu enxergo os matadores dos índios saindo como se fosse um pedaço da floresta se manifestando.” Continue reading »

CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 1
cinema

CAMINHOS PARA OUTRO CINEMA nº 1

“Cada plano isolado vale por um filme, é um filme. Foi assim que a história do cinema começou. Lumière: O almoço do bebê é uma cena simples, a mulher e a criança; por trás, as folhas das árvores se movem. Existe um equilíbrio entre os galhos que se movem e a historinha em primeiro plano. Este equilíbrio é o melhor de tudo. Cada parte da imagem vive, independentemente, e isto é bom de ver…” Continue reading »

Dois anos de ÉS UMA MALUCA – Entrevista com PV Alcântara
#28 Edição / artes visuais / entrevista

Dois anos de ÉS UMA MALUCA – Entrevista com PV Alcântara

Dois anos de ÉS UMA MALUCA

Entrevista com PV Alcântara

 

“A ocupação do espaço físico era movida pela utopia de ser um espaço aberto para a criação artística. Mesmo na zona sul faltava um espaço assim. A gente conhece muita galeria e instituição, a EAV, mas claramente faltam espaços de livre circulação e experimentação.”

Continue reading »

Práticas artísticas, ações afirmativas
#28 Edição / artes visuais

Práticas artísticas, ações afirmativas

“Por isso pensei em fazer um livro, na busca por concretizar esse diálogo que a mim e a tantos outros – como suponho – é capital. Quis elencar, através de um pessoal recorte, artistas de certo reconhecimento público que guardassem contato evidente com tais programas de apoio às pessoas em situação de vulnerabilidade social nas universidades.” – Depoimento de Jandir Jr. Continue reading »

Poesia de Esquina – Entrevista com Viviane de Salles
#28 Edição / entrevista / poesia

Poesia de Esquina – Entrevista com Viviane de Salles

Poesia de Esquina

entrevista com Viviane de Salles

 

“Ter uma vida culturalmente ativa é muito caro. Então, o que é o acesso à cultura? A gente não tá fazendo sarau porque a gente quer ter acesso à cultura, a gente é a própria cultura. A gente tá invertendo uma parada. A gente quer ter acesso a tudo, tudo que é produzido.”

Continue reading »